22 de mai de 2012

O cão idoso - parte 2

O tempo vai passando, e aos poucos percebemos que nosso Amigo Fiel está envelhecendo.

Podemos notar, que os cães de raças pequenas tendem a envelhecer mais devagar, quando comparados  aos de raças grandes e gigantes.

Ocorrem mudanças fisiológicas, e o organismo deles não funciona mais da mesma forma. O metabolismo fica mais lento, o animal caminha mais devagar e com dificuldade. Muitas vezes, estas mudanças estão associadas a problemas de saúde decorrentes da senilidade


Então, quais são as doenças comuns em um cão idoso?

- Problemas Cardíacos
O coração é um órgão que trabalha em período integral. Com o tempo, o músculo cardíaco e suas válvulas começam a perder a elasticidade, e deixam de desempenhar duas funções, ou seja, se tornam INSUFICIENTES. E daí surge o termo INSUFICIÊNCIA CARDÍACA. Sinais como cançaso, tosse e lígua arroxeada são bem comuns em cães com problemas cardíacos.

- Problemas Articulares
Um labrador que adora correr atrás da bolinha, ou um poodle que sobe no sofá para assistir tevê com o dono, enquanto jovens, eles realizam estas atividades sem nenhuma dificuldade. Mas com o avançar da idade, estas tarefas não são tão fáceis de serem realizadas. Pois as articulações, que antes absorviam todo o impacto do corpo, começam a sentir, literalmente o peso da idade. Recusa ao fazer exercícios físicos, dor, inchaço nas articulações, dificuldade em se levantar ou deitar, são alguns sinais de que as articulações requerem atenção especial.

- Problemas Renais e Urinários
Sempre ouvimos das nossas mães que devemos beber bastante água, pois é bom para o funcionamento dos rins. Os rins são os responsáveis por filtrar o sangue, e eliminar alguns compostos que não serão mais utilizados no organismo. Estes compostos sairão do corpo dos animais através da urina. Mas, e se de repente, o seu pet velhinho começa a beber muita água e urinar bastante? Isso pode ser um sinal de que os rins já não estão realizando suas funções como antes. Além de ingestão exagerada de água, urina em grandes quantidades, podem ser sinais de alterações renais perdade apetite, vômitos, diarréia e anemia.

- Problemas Oculares
Muitas vezes os animais vão perdendo a visão ao longo da vida, e não só quando ficam idosos. E os proprietários acabam por se acostumar com a situação, e ver o bichinho bater contra a parede começa a fazer parte da rotina. Um olhar com o fundo esbranquiçado é frequentemente reconhecido como a catarata.

- Perda dos Dentes
Ainda hoje é muito comum termos animais de estimação sendo alimentados com comida caseira. Quando os proprietários são questionados sobre o assunto, a resposta costuma ser parecida: "Ele é velhinho, e já perdeu os dentes!". A perda de dentes dificulda na alimentação, impedindo que o animal coma, muitas vezes, um alimento seco adequado para a sua faixa etária. Os dentes caem devido ao acúmulo de tártaro, que provoca a retração da gengiva. A prevenção neste caso, é o melhor remédio, e pode ser feita pelo proprietário em casa, com as escovações frequentes.

- Tumores
Sabe-se que algumas raças de cães são predispostas a alguns tipos de tumores, que podem ser benignos ou malignos. Os tumores benignos são relativamente comuns em cães idosos. Mas como saber o tipo de tumor do seu pet? Este diagnóstico, só cabe a um Médico Veterinário. Ele irá examinar o animal, e definir qual a melhor forma de tratamento. É importante que quanto mais cedo o problema for detectado, melhores são as chances de cura e sucesso no tratamento.

- Diabetes
A diabetes é uma doença que pode acometer qualquer cão, mas os cães idosos e os obesos são propensos a apresentar o problema. Os sintomas muitas vezes podem ser confundidos com outras doenças. Consumo excessivo de água, urina em grande quantidade, apetite exagerado, fadiga, vômitos, e muitas vezes está associada à catarata.

Realmente os problemas citados acima são muitos, e muitas vezes, bem graves se não tratados adequadamente. Mas, se reparar bem, eles não aparecem de uma hora para a outra. Vão vindo de mancinho, juntinho com a idade do seu Melhor Amigo. A boa notícia é que há tratamento para cada um deles, desde que sejam diagnosticados precocemente. E para isso, idas frequentes ao Veterinário são necessárias e essenciais.

Beijos,

  Michelle :)


Nenhum comentário:

Postar um comentário